Geyer - Saúde e Bem Estar em Todas as Gerações

Apresentação

Cartucho com 10 sachês.

Ingredientes

Polidextrose (fibra alimentar solúvel), Edulcorante Lactitol, Antiumectante Dióxido de silício.

Fontelax não possui corantes, conservantes, aromatizantes e açúcar. NÃO CONTÉM GLÚTEN.

Informações sobre o Fontelax®

  • 1. O que é Fontelax® ?
    • É uma fonte de fibras contendo em sua formulação uma mistura de lactitol e polidextrose em um pó solúvel.
    • INFORMAÇÃO NUTRICIONAL

      Porção de 13,4 g (1 sachê) em 100 mL de água

      Quantidade por porção

      %VD (*)

      Valor energético

      27 kcal = 112 kJ

      1

      Carboidratos polióis

      10 g

      3

      Fibra alimentar

      3 g

      12

      Não contém quantidade significativa de proteínas, gorduras totais, gorduras saturadas, gorduras trans e sódio.

      (*) % Valores diários com base em uma dieta de 2.000 kcal ou 8.400 kJ. Seus valores diários podem ser maiores ou menores, dependendo de suas necessidades energéticas.

    • Seu consumo deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis. Este produto pode ter efeito laxativo.
  • 2. Como atuam o lactitol e a polidextrose presentes no Fontelax® ?
    • O lactitol é uma molécula derivada da lactose, altamente solúvel, com sabor levemente adocicado e com baixa absorção pelo corpo humano (menos de 2%). Estudos demonstram que o lactitol é capaz de alcançar todas as porções do trato intestinal, promovendo um aumento da quantidade de água nas fezes, amolecendo-as e tornando mais fácil as evacuações.
    • A polidextrose é uma fibra solúvel que não sofre digestão no trato gastrintestinal. Além disso, quase não possui calorias, sendo ótima para a manutenção da saúde intestinal e aumentar a saciedade.
  • 3. Como devo utilizar o Fontelax® ?
    • Adicionar o Fontelax® aos poucos, em água ou outro líquido de sua preferência, em qualquer temperatura, na quantidade de meio (1/2) sachê a 4 sachês por dia. Agitar com uma colher até a completa dissolução do pó. Para um melhor benefício, sugere-se consumir o produto, em uma única tomada, pela manhã ou à noite. Fontelax® proporciona sabor levemente adocicado à bebida podendo substituir o uso do açúcar ou adoçante.
  • 4. O que devo fazer se eu me esquecer de tomar o Fontelax® ?
    • Você pode tomar o Fontelax® logo que lembrar, de maneira que o efeito esperado ocorra em um momento apropriado para você.
  • 5. Quem pode utilizar o Fontelax® ?
    • Adultos, idosos, crianças e diabéticos podem se beneficiar do produto. Consumir preferencialmente sob orientação de nutricionista ou médico.
  • 6. Por quanto tempo posso utilizar o Fontelax® ?
    • O Fontelax® pode ser utilizado por longos períodos de tempo, devendo-se obedecer às recomendações do seu médico ou nutricionista. É importante que seu consumo seja associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.
  • 7. Quais os efeitos colaterais que o Fontelax® pode me causar?
    • O Fontelax® é um produto seguro e que tem como diferencial ser mais bem tolerado que outros produtos de sua categoria, entretanto, em algumas pessoas, pode ocorrer náuseas, dor abdominal e/ou flatulência. Se ocorrerem tais sintomas, a quantidade de sachês ingeridos ao dia poderá ser reduzida de acordo com as necessidades e benefícios esperados.
  • 8. Como devo guardar o Fontelax® ?
    • Armazenar em embalagem original, bem fechada. Conservar em local fresco e seco, ao abrigo da luz e umidade. Caso seja utilizado meio (1/2) sachê, utilizar a outra metade no prazo de 1 dia. Armazenar o conteúdo remanescente de maneira que fique bem vedado, em local fresco e seco. Não utilize o produto em caso de violação da embalagem.
  • 9. Referências
    • 1. FARUQUI, A. A.; JOSHI, C. Inter. J. Recent. Adv. Pharm. Res., v. 2, n. 1, p. 1-5, 2012. 2. BJÖRKLUND, M. et al. AGE, v. 34, p. 987-999, 2012. 3. MARTINO, A. M. et al. Minerva Pediatrica, v. 44, p. 319-323, 1992. 4. PITZALIS, G. Ped. Med. Chr., v. 17, p. 223-226, 1995. 5. JIE, Z. et al. Am. J. Clin. Nutr., v. 72, p. 1503-9, 2000. 6. FLOOD, M. T. et al. Food and Chemical Toxicology, v. 42, n. 9, p. 1531-1542, 2004. 7. MARTINO, A. M. et al. Minerva Pediatrica, v. 44, p. 319-323, 1992. 8. WALD. A. et al. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 9. MORAIS, M. B.; MAFFEI, H. V. L. Jornal de Pediatria, v. 76, Supl. 2, s147-s56, 2000. 10. GALVÃO-ALVES, J. JBM., v. 101, n. 2, p. 31-37, 2013. 11. RODRIGUEZ, T. N. et al. RBM. 2004. Disponível em: http://www.moreirajr.com.br/revistas.asp?fase=r003&id_mat eria=2609> Acesso em: 25 Set. 2014.

Dicas

Confira dicas importantes para cada um de nossos públicos.

O consumo de Fontelax deve estar associado a uma alimentação equilibrada e hábitos de vida saudáveis.

Para mulheres Para idodos Para crianças Para viajantes
 

Dicas para Mulheres

  • A constipação intestinal, também conhecida como prisão de ventre, acomete principalmente as mulheres e afeta cerca de 24% das brasileiras.
  • O mal funcionamento do intestino afeta diretamente sua qualidade de vida, causando alterações no humor, dificuldade de se concentrar e piora na vida sexual.
  • As tensões do dia a dia e o constrangimento de usar o banheiro fora de casa podem agravar o caso. Por isso, relaxe! Fazer atividades contra o estresse e a ansiedade também podem ajudar a melhorar o funcionamento intestinal.
  • Alimentação equilibrada faz toda a diferença! Um prato colorido, composto de alimentos integrais, frutas e verduras auxilia no bom funcionamento intestinal.
  • Beber água, além de hidratar nosso corpo, melhora o peso e a maciez das fezes e contribui para a lubrificação do intestino.
  • Mastigar é importante! Quanto mais tempo o alimento ficar na boca, mais é digerido e melhor é a absorção de nutrientes no intestino.
  • Mexa-se! Fazer exercícios físicos regularmente aumenta os movimentos peristálticos e ajuda o intestino a funcionar melhor.
  • Tenha regularidade intestinal: procure ir ao banheiro sempre na mesma hora.

Referências: 1. Estudo Sim Brasil. Disponível em: http://www.estudosimbrasil.com.br/. Acesso em: 13/02/2015. 2. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010.

 

Pessoas acima dos 60 anos

  • Idosos podem apresentar diminuição do tônus muscular e da função motora do intestino. Cerca de 13% da população brasileira acima dos 60 anos sofre de prisão de ventre.
  • Além disso, há o alto consumo de medicamentos com potenciais de causar constipação intestinal.
  • Diminua o consumo de alimentos industrializados que, em sua maioria, são processados e perdem fibras além de outros nutrientes, podendo agravar o quadro da prisão de ventre.
  • Sugere-se quer as evacuações sejam realizadas após as refeições. Uma massagem feita da direita para a esquerda com a mão espalmada na barriga após 30 minutos das refeições, pode contribuir para a motilidade intestinal;
  • Durante a ida ao banheiro sugere-se apoiar os pés sobre um pequeno banquinho, inclinar-se para frente e aplicar uma pressão firme na parte inferior da barriga.
  • Não fique parado. Pratique alguma atividade física que você goste e que suas condições de saúde permitam. Indivíduos acamados podem se beneficiar de um programa de exercícios que envolvem virar-se de um lado para o outro, girar o tronco ou exercitar os braços.
  • A água é indispensável ao perfeito funcionamento do organismo. Para incentivar sua ingestão, é essencial que o ambiente facilite o acesso da pessoa idosa aos utensílios (caneca, copo ou xícara) e ao filtro. É importante incentivar o consumo da água em pequenas quantidades, várias vezes ao dia, entre as refeições, salvo recomendações médicas especiais.
  • Ter o hábito de defecação diária, em um ambiente agradável, de preferência com um horário fixo e sem pressa, pode auxiliar bastante na qualidade de vida do idoso.
  • Referências: 1. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 2. ANDRADE, M. A. et al. Assistência farmacêutica à obstipação intestinal no idoso. Infarma, v. 15, n. 9-10, 2003.

 

Crianças

  • Estima-se que entre 15 a 38% das crianças brasileiras sofram com constipação intestinal, conforme a região do país e a faixa etária.
  • Priorize a amamentação exclusiva até os 6 meses de idade.
  • A constipação intestinal, na grande maioria das vezes, é de causa funcional pela presença de alterações na motilidade intestinal, associadas ao medo de evacuar.
  • É importante o acompanhamento do pediatra ou do gastroenterologista pediátrico que deverá orientar as medidas dietéticas e comportamentais a serem seguidas.
  • Mamãe, exerça a criatividade na hora de preparar os alimentos: combine cereais com frutas que as crianças gostem, iogurtes com frutas laxativas, bolinhos de vegetais, preparo de alimentos empanados com farelos (farelo de trigo), feijão acrescido de cereais (linhaça e farelo de trigo), sucos de frutas sem coar.
  • Os passeios em fast-foods devem ser eventuais. Quando eles ocorrerem, deve-se dar preferência para sanduíches pequenos, que associem legumes e verduras, sem acréscimo de condimentos artificiais, como maionese, catchup e mostarda.
  • É importante que a criança crie o hábito de evacuar diariamente no mesmo horário, mesmo que no início do treinamento as evacuações não ocorram.
  • Insista com seu filho para beber muita água. Beber uma boa quantidade de água e sucos de frutas naturais, sem açúcar, ajuda a movimentação das fezes no intestino.
  • Estimule a prática de atividade física e reduza o tempo na frente da televisão e do computador. Os exercícios físicos estimulam o intestino e toda criança gosta de exercitar-se. Pode ser correr, dançar, andar de bicicleta ou nadar. Aquelas realizadas ao ar livre reduzem o estresse e colaboram para o desenvolvimento infantil e a socialização.

Referências: 1. WALD. A. et al. Survey of laxative use by adults with self-defined constipation in South America and Asia: a comparison of six countries. Aliment. Pharmacol. Ther., v. 31, p. 274-284, 2010. 2. GASTROPEDIATRIA. Constipação intestinal crônica. Disponível em: http://www.gastropediatria.med.br/79201.html. Acesso em: 13/02/2015.

 

Viajantes

  • A quebra da rotina e dos hábitos alimentares durante uma viagem podem alterar a flora intestinal. Por isso, mesmo fora da rotina, tente fracionar sua alimentação fazendo 6 refeições ao dia, consumindo diariamente frutas, saladas e alimentos integrais.
  • Outro inimigo de muita gente é aquele desconforto por não conseguir utilizar o banheiro fora de casa. Mas, se deu vontade de ir ao banheiro, tem que ir!
  • Procure seguir os mesmos hábitos de casa. Se você leva uma revista para o banheiro, faça o mesmo no hotel.
  • Respeite o horário. Procure ir ao banheiro sempre na mesma hora.
  • Exercícios físicos podem melhorar o funcionamento do seu intestino. Por isso, não deixe de praticar esportes quando estiver viajando: caminhar, correr, andar de bicicleta ou patinar também pode ser um jeito diferente de conhecer um novo lugar.
  • E não esqueça de beber água! Principalmente se for para lugares quentes, é muito importante manter a hidratação, além de auxiliar no funcionamento intestinal.

Referências: 1. Estudo Sim Brasil. Disponível em: http://www.estudosimbrasil.com.br/. Acesso em: 13/02/2015.

Dizeres Legais

Farmacêutica Responsável: Glaucia Porto Prates CRF - RS 4261

Geyer Medicamentos S.A.

Rua Pelotas, 320 - Porto Alegre - RS

CNPJ.: 92.670.801/0001-82

Indústria Brasileira

www.geyermed.com.br

SAC: 0800-6040075 - sac@geyermed.com.br

Produto isento de registro conforme RDC número 27/2010

Arquivos Relacionados Baixar